LEI DE DROGAS (LEI 11.343/06)

• De acordo com a Lei de Drogas em vigor entende-se por drogas aquelas substâncias ou produtos capazes de causar dependência, assim especificados em lei ou relacionados em listas atualizadas periodicamente pelo Poder Executivo da União. Conforme o art. 66 da Lei n. 11.343/06, ampliou-se o rol de substâncias abarcadas pela criminalidade de tóxicos, incluindo-se aquelas sob controle especial.

• Cabe liberdade provisória nos crimes hediondos, na prática da tortura, no tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins e no terrorismo (os assemelhados).

• É fato que não houve descriminalização da conduta, mas houve o intuito de despenalização e de educação do usuário de drogas.

• O juiz deverá atentar, para decidir-se ou pelo consumo ou pelo tráfico, aos seguintes tópicos: a) natureza e quantidade da substância; b) local e condições em que se desenvolveu a ação; c) circunstâncias sociais e pessoais; d) conduta e antecedentes do agente.

• Livramento condicional após dois terços de cumprimento da pena, vedada a concessão ao reincidente específico.

• Não se imporá prisão em flagrante para o usuário, devendo o autor do fato ser imediatamente encaminhado ao juízo competente ou, na falta deste, assumir o compromisso de a ele comparecer, lavrando-se termo circunstanciado e providenciando-se as requisições dos exames e perícias necessários.

• Prazo para a conclusão do inquérito policial: 30 dias – indiciado preso, e 90 dias – se estiver solto. Haverá a duplicação de tais prazos mediante justificado pedido da autoridade de polícia judiciária.

• A pena mais alta refere-se ao crime de financiar. Caso o autor seja somente financiador do tráfico, aplica-se a pena do Art. 36 (reclusão, de 8 a 20 anos, e pagamento de 1.500 a 4.000 dias-multa). Se for financiador e traficante, responderá por tráfico mais a agravante do art. 40, inc. VII (pena de 5 a 15 anos, aumentada de 1 sexto a 2 terços).

• O prazo máximo para a formação da culpa poderá ser de até 195 dias, em se tratando de réu preso, sem que se caracterize o constrangimento ilegal por excesso de prazo.

• Antes de receber a denúncia, o juiz notificará o acusado para oferecer defesa prévia no prazo de 10 dias. Esta tem como finalidade fazer com que o juiz não receba a denúncia. O juiz terá 5 dias para decidir (receber ou rejeitar a denúncia, ou requerer diligências).

• Haverá a progressão de regime (inicialmente fechado) quando cumpridos 2/5 da pena, se primário, ou 3/5, se reincidente.

• É prevista a delação premiada na lei de drogas.

• A pessoa que for encontrada de posse de drogas para uso próprio será encaminhada à autoridade policial (Delegado de Polícia) ou ao Judiciário, onde tiver vara especializada de entorpecentes. Na delegacia, faz-se o TCO e junta-se o exame de constatação. A seguir, encaminha-se aludido expediente ao juizado especial criminal para a transação, se possível, e aplicação da(s) pena necessária(s), se for o caso.

• No caso de descumprimento da transação ou da(s) pena(s) aplicada(s), o juiz admoestará verbalmente o usuário e, se for necessário, aplicará pena de multa entre 40 a 100 dias-multa, no valor de um 30 avos até 3 vezes o maior salário mínimo.

Atenção!!!! O crime não é usar droga ilícita, mas sim adquiri-la, guardá-la, mantê-la em depósito, transportá-la ou trazê-la consigo para consumo pessoal. Assim, não se pune o consumo em si da droga.

• No crime de posse ilícita de drogas para consumo pessoal, a apreensão da droga (objeto material) é obrigatória.

Atenção!!!!! O tipo penal do tráfico não exige como elementar a finalidade de lucro ou de obter vantagem econômica. Poderá haver o crime de tráfico ainda que não exista o fim lucrativo por parte do agente delitivo.

Importantíssimo!!! Com as alterações surgidas com a Nova Lei de Drogas, foram criadas duas figuras penais que, na lei anterior (6.368/76), caracterizavam crime de tráfico. Porém, na atual Lei de Drogas (11.343/2006), não configuram tráfico. A primeira é a conduta de “induzir, instigar ou auxiliar alguém ao uso indevido de droga”. A segunda é a conduta de “oferecer droga, eventualmente e sem objetivo de lucro, a pessoa de seu relacionamento, para juntos a consumirem”. Nessas duas hipóteses (exceções), não haverá crime de tráfico.

• As figuras do erro de tipo e do erro de proibição são plenamente possíveis nesses crimes, exigindo-se a prova cabível para a sua verificação. Ex.: pessoa que, a pedido do amigo, transporta uma encomenda não sabendo que a mesma é droga (erro de tipo). Ex2.: estrangeiro holandês de férias no Brasil que imagina ser lícito fumar maconha (erro de proibição).

• É plenamente possível o concurso de crimes do art. 33 (tráfico) com o art. 35 (associação para o tráfico). Assim, por exemplo, no caso de um grupo de traficantes que formaram uma quadrilha ou bando para exercerem suas atividades, já tendo iniciado os atos executórios do crime de tráfico, deverão responder por dois crimes em concurso material: tráfico ilícito de drogas e associação para o tráfico (arts. 33 ou 34 em concurso com o art. 35 da Nova Lei de Drogas).

• Na caracterização do delito de associação para o tráfico, é importante demonstrar que a associação de pessoas continha um ajuste prévio e duradouro, afastando-se, portanto, da mera reunião ocasional de co-autores para a prática de determinado crime de tráfico ilícito de entorpecentes. A ausência do animus associativo afasta a incidência do art. 35 da Lei, tratando-se de mera co-autoria.

• O crime de colaboração com o tráfico (art. 37) não constitui tráfico ilícito de drogas. O informante, na Nova Lei de Drogas, é responsabilizado num tipo penal autônomo.

• A única figura culposa descrita na Nova Lei de Drogas é o crime de prescrever ou ministrar (art. 38), culposamente, drogas, sem que delas necessite o paciente, ou fazê-lo em doses excessivas ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar.

• Os núcleos “prescrever” ou “ministrar”, para caracterizar o presente delito, devem ocorrer culposamente. Assim, se as condutas forem eminentemente dolosas, o agente delitivo deverá responder por crime de tráfico de drogas.

• Jurisprudência firmada pelo STF é favorável à aplicabilidade do artigo 55 da lei 11.343 (defesa prévia) mesmo após alteração do art. 394 do CPP. Ausência de defesa gera a nulidade do processo. A ausência de análise das preliminares suscitadas pelo denunciado em defesa preliminar constitui vício que macula o procedimento e requer a declaração de sua nulidade como forma de cessar o constrangimento.

• Uma das inovações jurídicas da Nova Lei de Drogas foi abolir as penas privativas de liberdade para o crime de posse ilegal de drogas para consumo pessoal (art. 28). Não existe mais possibilidade alguma de prisão para aquele agente que adquire, traz consigo, guarda, tem em depósito ou transporta droga para consumo pessoal. As penas cominadas são exclusivamente restritivas de direitos.

• Semear, cultivar ou colher plantas para a preparação ou produção de drogas caracteriza crime de tráfico. Contudo, se for para o consumo pessoal do agente e em pequena quantidade, não será tráfico, e sim o crime de §1.º, do art. 28.

Todos os delitos, estejam ou não submetidos a procedimento especial, cuja pena máxima não ultrapasse 2 anos de prisão estão sujeitos à Lei 9.099/95. Com a redação da Nova Lei, o crime de posse ilegal de drogas para consumo pessoal tornou-se crime de menor potencial ofensivo.

• Em hipótese alguma será cabível prisão para o caso de posse ilegal de drogas para consumo pessoal, nem mesmo prisão em flagrante. Encontrado portando a droga, o criminoso será encaminhado para a Delegacia, ouvido e posto em liberdade, após assinar o termo de compromisso de comparecer à audiência preliminar. E mesmo que não aceite prestar termo de compromisso, ainda assim, não poderá ser preso.

• Ao todo, são oito critérios levados em consideração para aferir se a droga se destina ao consumo pessoal do agente. São eles: Natureza da droga; Quantidade; Local da apreensão; Desenvolvimento da ação; Circunstâncias sociais; Circunstâncias pessoais; Conduta; Antecedentes do agente.

• Não existe mais previsão de regime integralmente fechado no ordenamento jurídico-penal. A Lei dos Crimes Hediondos foi alterada pela Lei nº 11.464/07, para admitir a progressão de regime em hediondos e assemelhados. Antes mesmo da alteração legislativa, o STF havia declarado a inconstitucionalidade do antigo § 1º do artigo 2º da Lei nº 8.072/90, considerando que a vedação de progressão de regime feriria os princípios constitucionais da individualização das penas, isonomia, humanização das penas e dignidade da pessoa humana.

• A Lei nº 11.343/2006, que revogou expressamente a Lei n.º 6.368/1976, ao definir novos crimes e penas, não previu a incidência de majorante na hipótese de associação eventual para a prática dos delitos nela previstos. Conclui-se, portanto, que se impõe retirar da condenação dos pacientes a causa especial de aumento previsto no art. 18, inciso III, da Lei nº 6.368/1976, em obediência à retroatividade da lei penal mais benéfica. Não se trata propriamente de abolitio criminis. A nova redação não aboliu o crime de tráfico ilícito de drogas. Apenas aboliu do rol de causas de aumento de pena aquela referente ao concurso de agentes (associação eventual), prevista no art. 18 da antiga Lei. Conseqüentemente, neste aspecto, a Nova Lei termina sendo mais benéfica, devendo retroagir para beneficiar o condenado.

• De acordo com a lei, os crimes previstos nos arts. 33, caput e §1.º, e 34 a 37 da Lei de Drogas são inafiançáveis e insuscetíveis de sursis, graça, indulto, anistia e liberdade provisória, vedada a conversão de suas penas em restritivas de direitos.

• Há a possibilidade de livramento condicional para o crime de tráfico, após o cumprimento de dois terços da pena, vedada sua concessão ao reincidente específico.

• A destruição de drogas far-se-á por incineração, no prazo máximo de 30 dias, observadas as cautelas necessárias com o meio ambiente, no caso de queimadas, guardando-se as amostras necessárias à preservação da prova.

• A incineração de plantações ilícitas será realizada por meio de autorização judicial, ouvido o Ministério Público, e executada pela autoridade de polícia judiciária competente, na presença de representante do Ministério Público e da autoridade sanitária competente.

• A via estreita do habeas corpus não é adequada para o pleito de desclassificação da conduta de tráfico para a de uso de entorpecentes, dada a necessidade de aprofundamento no acervo fático-probatório (STJ HC 88684 / RJ DJe 08/02/2010).

• Considera-se tráfico privilegiado o praticado por agente primário, com bons antecedentes criminais, que não se dedica a atividades criminosas nem integra organização criminosa, sendo-lhe aplicada a redução de pena de um sexto a dois terços, independentemente de o tráfico ser nacional ou internacional e da quantidade ou espécie de droga apreendida, ainda que a pena mínima fique aquém do mínimo legal. Dessa forma, a quantidade e a natureza da droga não irão impedir a aplicação da diminuição de pena decorrente do crime de tráfico privilegiado, muito menos o fato de o tráfico ser nacional ou internacional, conforme orientação do Superior Tribunal de Justiça (STJ REsp 1133945 / MG 15/04/2010).

FONTE: http://www.euvoupassar.com.br/visao/artigos/completa.php?id=1919

OBS.: O STJ não admite a aplicação do princípio da insignificância no crime de posse ilegal de drogas para consumo pessoal (art. 28, da Nova Lei de Drogas). A pequena quantidade da droga não desnatura o delito; Orientação do STF é no sentido de ser favorável à aplicação do princípio da insignificância ao crime de posse ilegal de drogas para consumo pessoal em estabelecimento militar (delito previsto no art. 290 do Código Penal Militar), desde que atendidos certos requisitos.

25 Respostas para “LEI DE DROGAS (LEI 11.343/06)”

  1. almir vieira junior Diz:

    Gostei do artigo se possível envie por email.

  2. Muito bom o Artigo, trás de forma clara e objetiva as principais alterações trasidas pela nova Lei de Drogas, meus Parabéns.

  3. hildemar pereira de souza Diz:

    muito bom o artigo, esclareceu muitas duvidas com relaçao ao uso e trafico de drogas. Serviu para clarear objetivamente as principais duvidas existentes. HILDEMAR DE SOUZA, ALUNO DO 6o. periodo de direito- MANAUS/AM.

  4. Artigo esclarecedor e pertinente. Encontrei na hora certa. Aproveitem!
    Abraço.

  5. Não tyenho muita paixão pelo Direito penal mas o artigo me fez mudar de ideia, não é preciso decorar é preciso entender

  6. OI CRIS ADOREI O ARTIGO!! MUITO OBRIGADA ESCLARECEDOR.

  7. parabens pela vontade de colocar direcionado ao publico leigo um esclarecimento simplificado das novas leis, me ajudou muito.
    desde ja muito obrigado.

  8. entao o crime do art38 cabe a lei 9099

  9. CARLOS PRADO Diz:

    Simplesmente, um excelente trabalho, nos auxilia em muito em nosso aprendizado.
    Parabens aos organizadores.

  10. Cleonice Ricardi Diz:

    Gostei muito do artigo.Sou leiga no assunto e estou precisando de orientação sobre a Lei citada.Parabéns.

  11. adorei as explicaçõe e queria pedir se tem como me mandar por msn. para mim é muito importante….meu marido está preso e eu estou procurando tudo que eu posso ajudalo…….muito obrigado gabriela

    • Preciso de ajudar uma amiga: seu filho foi pego nesse feriado (15/11/2012) dirigindo veículo com drogas ( veículo não é roubado) juntamente com 3 colegas. Abordagem foi em uma blitss ,, foi encontrado dentro dentro do véiculo , no porta luva maconha embaladas, quantidade na qual carac/terizou Associação ao trafico, um dos envolvido continha , LSD e mais uma quantidade pequena de maconha em seu corpo. O filho de minha amiga é um garoto de boa índole, estudante , residencia fixa, não tinha antecedentes criminais, trabalhador, evangelico, menino que nunca deu trabalho para os pais (18 anos), um dos envolvidos pediu que o filho de minha amiga levasse sua namorada embora , pois estavam num churrasco, e foi mais um amigo. Após deixar a menina, um dos envolvidos pediu para ir em uma casa pois precisa pegar uma coisa. O filho de minha amiga não sabia o que era, ficou esperando no carro . E essa pessoa colocou ( essa coisa) dentro do porta-luva do carro, O condutor do veículo não sabia o que era e foi embora. Até ser parado pela britss, como tem habiltação , documento do carro tudo em ordem , ele obedeceu a ordem , mas percebeu que o rapaz ficou totalmente nervoso. E feita abordagem foi encontrada a droga.
      O filho de minha amiga, alegou que não que não sabia da existência da droga, ( acreditamos que ele foi usado ) Foi elevado para o presidio, Os três.
      Foi um choque para todos ao saber da prissão desse rapaz que nunca se envolveu em coisas inlicitas. Seus pais estão desesperados, praticamente em estado de choque, assim como os vizinhos e os amigos.
      Gostaria de saber , se há possiblidade de aguardar audiência em liberdade, se nesse caso pode-se haver o habeas-corpus, pois a droga foi encontrada no carro, mas com o condutor não foi encontrado nada em seu corpo. Ele pode ser condenado ? Mesmo. O rapaz assumiu que a droga é dele. Mas seu advogado quer que o condutor e o outro rapaz assuma a responsabilidade da droga que estava no porta -luva, para caracterizar usuario e não , Associação ao trafico de drogas. Minha amiga esta desesperada. ( não tem provas que o condutor do véiculo tem envolvimento com drogas, não tem provas que a droga é dele, ele não é usuario, é um rapaz do bem. APENAS ESTAVA NA HORA ERRADA, COM PESSOAS ERRADA, ( entrou de gaiato) como o JUIZ PODE ENDENTER QUE ELE É UM BOM RAPAZ E DÊ A LIBERDADE PROVISORIA ? POR FAVOR ME AJUDE …. PELO AMOR DE DEUS. ESSA FAMILIA NÃO MERECE PASSAR POR ISSO, ESSE MENINO APENAS FOI USADO. vcs podem me mandar resposta por e-mail ? o mais rápido possível ? Muito obrigada , Deus os abençõe.

      • flavio roggester Diz:

        ele pode ser beneficiado no paragrafo 4 do artigo 33, se for realmente primario e ter bons antecedentes. O advogado dele deverá instrui-lo na hora de ser ouvido perante o Juiz(a). Roggester

    • paulo henrique fernandes de oliveira Diz:

      boa tarde meu nome e paulo i eu nao tenho muito estudo venho falar do meu irmao ,no dia 14/10 do 2012 meu irmao vinha passando de moto com sua namorada na estrada rio do pau proximo a pavuna numa comunidade coencida como chapadao condo foi abordado por um homen ordenou que ele o levaser ate o vilhage condo foi abordado por uma patrulha do 41 batalhao de iraja que o condusiu ate a penha recebi um ligaçao disendo que ele estava com um rapaz com 346 capisula de cocaina meu irmao nao e usuario de drogas e trabalhou numa unica empresa 18 anos e esta recebendo aucilio desemprego.ate hoje nao marcarao a audiencia ,e-e-mail paulo.eletrotecnico@bol.com.br

  12. odila elisiane da silva Diz:

    o que quer dizer p.presos induto/comutaçao que esta no processo do meu marido

  13. odila elisiane da silva Diz:

    o quer quer dizer p.presos DPE indulto/comutaçao

    • Odila,
      DPE significa Defensoria Pública do Estado. Creio que o processo de seu marido será encaminhado pra a DPE para saber se há possibilidade de indulto. Lembrando que o indulto pode ser total (quando extingue a punibilidade) ou parcial (quando a pena é diminuída ou substituída por outra de menor gravidade). Nesse caso, como tem “indulto/comutação”, a pena de seu marido poderá ser diminuída ou substituída por outra.

  14. Ana Emilly Duarte Diz:

    olá … gostaria de tirar uma duvida meio que urgente… um amigo meu foi preso por trafico de drogas e associação ao trafico, mas ele era apenas o condutor do veiculo no qual foi feito o trajeto para pegar a droga, ele sabia que havia droga no carro e na casa da mulher que estava junto com ele, ele apenas foi fazer um serviço em troca de dinheiro… isso aconteceu a um mês . Gostaria de saber se ele que é reu primario e tem bons antecedentes (fazia faculdade e era gerente de uma grande loja serviu ao quartel) tem direito a redução de pena ou responder em liberdade até o julgamento.
    Obrigada!

    • Ana,
      Sinto muito, mas seu amigo sabia o que estava fazendo. Ele contribui para o fato delituoso e foi “remunerado” por isso.
      Já o §4º do art. 33 (que fala sobre tráfico) diz que “…as penas poderão ser reduzidas de um sexto a dois terços, vedada a conversão em penas restritivas de direitos, desde que o agente seja primário, de bons antecedentes, não se dedique às atividades criminosas nem integre organização criminosa.”
      Feita essa individualização da pena, o juiz, posteriormente, irá deliberar sobre o regime inicial de cumprimento da mesma. Após a dosimetria da pena, a depender do quantum aplicado, o réu poderá obter o regime semiaberto ou até aberto, com substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos.
      Segundo o art. 44 da lei, “os crimes previstos nos arts. 33, caput e § 1o, e 34 a 37 desta Lei são inafiançáveis e insuscetíveis de sursis, graça, indulto, anistia e liberdade provisória…”. No entanto, o STF já declarou a inconstitucionalidade de parte desse artigo, justamente a que proibia a concessão de liberdade provisória nos casos de tráfico. Portanto, a regra que proíbe liberdade provisória a presos por tráfico de drogas é inconstitucional.

      • ANTONIO MARCOS Diz:

        Realmente, inclusive somente com base no artigo 312 do CPP, que pode ser negada a liberdade provisória.

  15. Parabéns! Excelente didática. Simples e objetiva!

  16. Excelente artigo.

  17. ANTONIO MARCOS Diz:

    bom dia. olha como procede quando uma guarnição da PM entra em uma residência sem autorização judicial e do morador para fazer uma varredura em busca de arma de fogo e chegando no local encontram drogas, balança de precisão mas, não encontra o morador e a suposta arma?

    ele corre risco de ser preso a qualquer hora, mesmo não tendo mandado de prisão?

    grato..

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 271 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: